O comércio físico tem ganhado força novamente e os negócios online já apresentam preços iguais aos do físico.

Na primeira semana de junho, as vendas físicas cresceram 31% na comparação com a última semana de maio e 35% se comparadas com a mesma semana de 2019, quando não havia pandemia. Além disso, as vendas no período representaram também um aumento de 131% no comércio eletrônico.

Crescimento pelo Brasil

Segundo o levantamento, todas as regiões do país apresentaram aumentos nas vendas, mas de maneiras diferentes. A região nordeste teve grande impulso provocado pelo comércio online. Na região metropolitana do Rio de Janeiro, o movimento de vendas foi impulsionado pela reabertura gradativa das lojas físicas.

Comércio físico

O levantamento destaca que, pela primeira vez, desde o início da quarentena, as vendas do comércio físico apresentaram importância maior do que as vendas online.

Ticket Médio

Isolados em casa, os consumidores tiveram que se reinventar para passar o tempo, entreter a família e, ainda, conseguir trabalhar. Para isso, tiveram que adaptar os lares e o lazer dentro de casa, ou seja, tiveram que gastar. O levantamento da GFK mostra que durante o isolamento, os preços dos eletroeletrônicos aumentaram, inclusive no comércio eletrônico que, historicamente, apresentava preços mais baixos que as lojas físicas.

Digitais

Uma das maiores mudanças provocadas pela quarentena foi a dinâmica de preços do comércio online se comparado ao comércio físico. O preço do online está cada vez mais parecido com o físico, como mostra o gráfico a seguir.

Existirá ainda um desafio onde as lojas precisarão oferecer algo a mais para atrair o consumidor tanto para a loja quanto para online. A palavra é adaptação.

FONTE: https://newtrade.com.br/varejo/preco-do-varejo-fisico-se-iguala-ao-online-com-reabertura-do-comercio/