Muito se fala na imprensa, nas redes sociais e nas lives que grande parte das organizações foram lançadas a uma arena mercadológica que elas não estavam 100% preparadas para atuar, e que isso impulsionou investimentos em iniciativas de transformação digital numa velocidade incomum.

Algumas empresas com projetos ousados e engavetados ganharam espaço e luz, outras tiveram que se reinventar e existem ainda aquelas que não estão entendendo o que está acontecendo.

O fato é que este panorama impactou e impactará a carreira e o futuro presente do trabalho de todos nós. Saíram a meu ver na frente os profissionais que há tempos atrás buscaram ter acesso a novos conhecimentos (transdiciplinares), viveram diferentes experiências (principalmente os baseados em tecnologia), formaram uma rede de contato eclética e ampliaram seus ecossistemas.

Neste momento são alguns destes profissionais que estão fazendo a diferença

O que estes profissionais têm de especial e que o mercado passou a dar ainda mais valor é o seu PENSAMENTO DIGITAL, que é caracterizado por:

  1. Não linear – o pensamento deles não é linear, ou seja, as coisas não acontecem necessariamente sempre em etapas, onde uma tarefa acontece e a próxima vem logo a seguir. Eles não trazem resistência e acreditam em multipolaridade e em funções simultâneas.
  1. Não repetitivo – o pensamento não é repetitivo e por isso propõe que uma mesma pessoa não faça sempre a mesma tarefa e, quanto menos ela fizer, melhor será naquela atividade. Não é a lógica de um especialista.
  1. Não segmentado – no pensamento deles cada tarefa não é feita por uma pessoa ou por um grupo delas. As estruturas para a execução das atividades não são departamentalizadas. Existem conexões em projetos, pessoas e áreas não por conta de uma “linha de montagem”, e sim pelas trocas, pelo ecossistema, pelos desafios.
  1. Imprevisível – o pensamento é imprevisível porque nem todos os produtos e serviços devem ser iguais.
  1. Percepção Social – a percepção social destes profissionais, ou seja, leitura da mente dos outros, está acima da média. Eles “percebem” o olhar do outro.

Esses profissionais tendem a quebrar paradigmas, e normalmente são questionados. Eles trazem para as organizações a cultura da disrupção coletiva. Normalmente os seus projetos vêm com a lógica de vender antes e comprar as coisas para conseguir efetivar as vendas depois.

A intuição humana é linear e as tecnologias que estão a nossa volta são exponenciais. Por isso as empresas, que também são na sua maioria lineares, têm que ir migrando capital, seja financeiro ou intelectual / humano para o lado exponencial, se quiserem sobreviver e crescer é lógico.

E você que está atendo a sua empregabilidade, reflita com profundidade se realmente você possui pensamento digital? Se não, ainda tem tempo para você correr atrás e se estruturar o seu desenvolvimento.

FONTE: https://rhpravoce.com.br/posts/pensamento-digital-ja-e-o-talento-mais-procurado-no-mercado